sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

PLANEJANDO UMA ATIVIDADE COM O LAPTOP

PROJETO UCA
TUTORA: MARLI MORAES
O CONTEÚDO DO MÓDULO – APROPRIAÇÃO TECNOLÓGICA
CURSISTA: Maria da Conceição Vidal Barbosa

PLANEJANDO UMA ATIVIDADE COM O LAPTOP

Plano de Aula - Português
Produção de textos
Disciplina : Português
Tema : Produção de texto (narrativo)
Título: Diversos
Público alvo: 4º ano
Objetivo: Incentivar o aluno a produzir texto com mais qualidade literária.
Material de Apoio:
• Leituras em livros literários e uso de computadores.
Distribuição da sala:
• grupo de 2 componentes na classe
• grupo de 3 componentes para cada computador.
Estratégia: lerem vários textos narrativos ,após a leitura produzirem outro texto na classe .
Tempo 2 aulas de 50 minutos cada.
Na sala de informática com o texto já redigido usaram o programa kword para fazerem a correção do próprio texto.
Tempo 2 aula de 50 minutos cada.
Orientação do professor:
*O professor deverá orientar o grupo dos computadores a explorar todos os recursos do programa kword, Dicionário e gramática eletrônica.
Avaliação:
• Criatividade ,usar a escrita da língua corretamente, coesão, coerência, domínio da gramática.
Postado por Orminda . P. Ferreira
Escola Municipal de Ensino Fundamental Aracy Nascimento


Por iniciativa do prefeito Otávio Gonçalves de Oliveira, foi construído e inaugurado no dia 02 de abril de 1962, o Grupo Escolar Aracy Nascimento, recebendo este nome em homenagem à ilustre professora Aracy Nascimento, que muito trabalhou para o progresso educacional da cidade de Macapá.
A escola está localizada na Rua Marcelo Cândia, Nº 615 no bairro Santa Rita. No dia 18 de janeiro de 1999, o prefeito Anníbal Barcellos determinou a mudança do designativo de 1º grau para Escola Municipal de Ensino Fundamental Aracy Nascimento.
A EMEF Aracy Nascimento vem ao longo desse período até os dias de hoje, implementando e construindo sua prática pedagógica baseada em ações que visam promover uma educação de qualidade, através de projetos como “Pais e Paz na Escola”, “Incentivo à Leitura”, “Escola Que Protege”, “Fest Folk”, “Salas Ambientes”, “Cultura Afro-descendente” “Combate à Dengue”.


MARABAIXO- CULTURA AFRO

Projeto Incentivo a Leitura

Atualmente a Escola Municipal de Ensino Fundamental Aracy Nascimento funciona nos dois turnos, atendendo o Ensino Fundamental de 08 anos (1ª à 4ª séries) e Ensino Fundamental de 09 anos (1º, 2º , 3º e 4º ano), totalizando 339 alunos regularmente matriculados.
É dirigida pelo Diretora Maria dos Anjos da Silva. O quadro de funcionários é composto ainda por profissionais competentes e compromissados com a qualidade de ensino e que hoje fazem parte da história de construção desse educandário.
O Projeto Político Pedagógico da EMEF Aracy Nascimento é referencial conjunto para a construção de sua ação pedagógica, oferecendo CREDIBILIDADE em todos os serviços que prestamos aos nossos alunos e à comunidade, incentivando o trabalho em equipe e a COLABORAÇÃO de todos, a fim de promover a PARTICIPAÇÃO da equipe como um todo, sem fazer distinção de quaisquer natureza seja à comunidade e/ou colaboradores (IGUALDADE).
A Proposta Pedagógica da EMEF Aracy Nascimento esta pautada na concepção filosófica da Tendência Educacional Progressista e Pedagogia Crítico Social dos Conteúdos, tendo o homem como ser social e como missão promover a formação do ser humano e a construção da cidadania, produzindo, sistematizando e socializando o saber científico, tecnológico e filosófico.


MUSEU FORTALEZA DE MACAPÁ


Projeto UCA Mais Educação - judô

A fundamentação teórica corresponde à construção dos referenciais teóricos que nortearão toda a ação pedagógica da escola e a construção da concepção filosófica deve abordar os pressupostos que sustentam toda ação docente.
A EMEF Aracy Nascimento desenvolve ainda suas ações através da Pedagogia de Projetos, pois a organização do trabalho pedagógico é fundamental para as ações de forma fragmentada e compartimentada, de tal maneira que as diferentes disciplinas, saberes, conhecimentos e os diferentes atores voltem-se, conjuntamente rumo aos fins intentados.


Projeto Pais e Paz na Escola

Assim, a utilização do trabalho com a dinâmica de projetos passa a ser uma estratégia que poderá unir, ligar, inter-relacionar, integrar, propiciar ações coletivas e cooperativas, que envolva toda a comunidade, os diferente saberes e conhecimentos.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

video
O Projeto Um Computador Por Aluno (UCA) tem a finalidade de promover a inclusão digital, por meio da distribuição de 1 computador portátil (laptop) para cada estudante e professor de educação básica em escolas públicas. Durante o ano de 2007 foram selecionadas 5 escolas, como experimentos iniciais, em São Paulo, Porto Alegre, Palmas, Piraí e Brasília. A partir do ano de 2008 houve a aquisição de 150 mil laptops para projeto piloto em 300 escolas públicas em todos estados-membros. Além dos computadores portáteis, fazem parte do kit tecnológico, destinado ao projeto, uma série de outros equipamentos que permitam o acesso à internet. A distribuição aconteceu da seguinte forma: 5 escolas estaduais por estado, indicação do Conselho Nacional de Secretários de Educação Estaduais – CONSED, e 2 a 5 escolas municipais, de acordo com o número de alunos, indicadas pela União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação – UNDIME. O projeto será replicado, também, para efeito de avaliação, em 5 cidades cujo número máximo da população educacional pública, professores e alunos, não passe de 3 mil.
No Amapá, 08 escolas foram contempladas com o projeto UCA:

5 Escolas Estaduais indicadas pela SEED/AP através da então Gerência de Tecnologia Educacional - GETED, hoje Núcleo de Tecnologia Educacional - NTE:
EE Predicanda Cardoso Amorim Lopes (Macapá);
EE Fonte Nova (Santana);
EE Veiga Cabral (Amapá);
EE Sete de Setembro (Serra do Navio);
EE Profa. Maria de Nazaré F. Lima (Tartarugalzinho).
3 Escolas Municipais indicadas pela UNDIME:
EMEF Aracy Nascimento (Macapá);
EMEF Domingos Valente Barreto (Mazagão);
EMEF Adão Ferreira de Souza (Porto Grande);


Mais informações:
http://wwwinclusaodigital.gov.br/links-outros-programas/projeto-um-computadorporaluno-uca/

http://ucaamapa.blogspot.com/

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

PLANO DE AULA UTILIZANDO O LAPTOP

PROJETO UCA
TUTORA: MARLI MORAES
CURSISTA: LILIAN DE PAULA RODRIGUES /MARIA JUCILEIA MONTEIRO NUNES
TEMA : PLANO DE AULA UTILIZANDO O LAPTOP
Geografia
Planos de aula
• Gráficos nas aula de Matemática
• Localização com Google
• Videochat em inglês
• Dados científicos de botânica em planilhas
• Literatura
• Revele por que a foto digital é herdeira das grandes pinturas
• Avalie com os estudantes a credibilidade dos sites de busca
Objetivos
- Desenvolver a noção espacial e a representação cartográfica.
- Comparar diferentes tipos de representação da superfície terrestre: mapas, fotos de satélite e imagens aéreas e tridimensionais.

Conteúdos
- Cartografia.
- Localização espacial.

Ano
5 º

Tempo estimado
Oito aulas.

Material necessário
Papel, régua, lápis, computador com acesso à internet e o programa Google

Desenvolvimento
1ª etapa Oriente os alunos a observar o trajeto desde a casa até a escola, identificando pontos para a localização. Peça que transformem a observação num croqui, cuidando para representar as referências.

2ª etapa Diante do computador, divida a turma em grupos e solicite que explorem este site. Explique que o desafio é encontrar, entre os mapas disponíveis, um que mostre a localização da escola. Oriente-os a comparar os croquis com os mapas: os pontos de referência são os mesmos? Como são identificados? Explique que os desenhos disponíveis são representações bidimensionais de espaços tridimensionais, com símbolos, legendas e escala específicos.

3ª etapa Hora de visualizar a localização em imagem real. Abra o programa Google e convide a turma a buscar uma imagem da escola. Siga o seguinte procedimento: clique no botão "Mostrar a barra lateral" e em "Voar para". Digite "Brasil", espere a imagem "voar" até o país. Introduza o nome da cidade e oriente os estudantes a aproximar a imagem até o objetivo. Pergunte aos alunos o que estão vendo. É a mesma visão que temos ao caminhar pelas ruas? Leve-os a perceber que imagens aéreas e de satélite são a real visualização da superfície no plano vertical.

4ª etapa Peça que comparem a imagem do Google com o croqui que haviam elaborado e observem o que querem acrescentar ou modificar.

Avaliação
Verifique se os alunos compreendem as diferentes formas de representação da superfície terrestre e se sabem se localizar em um mapa virtual. Para reforçar o entendimento, repita a sequência de atividades com outros pontos significativos, possibilitando que explorem os recursos de aproximação e distanciamento da visão no Google para desenvolver a noção de pertencimento espacial desde o nível do bairro até o planeta.

: PLANO DE AULA UTILIZANDO O LAPTOP

PROJETO UCA
TUTORA: MARLI MORAES
CURSISTA: ANA CLAUDIA DA G. LIMA / VANIA GLAUCILENE P. BENTES
TEMA : PLANO DE AULA UTILIZANDO O LAPTOP

Português e informática:
Fazendo quadrinhos pela internet

Objetivos específicos:

*Diferenciar o gênero literário das revistas em quadrinhos de outros gêneros
*Caracterizar e descrever este gênero (das revistas em quadrinhos)
*Elaborar uma tirinha de revista em quadrinho pela internet
*Utilizar ferramentas do site que são comuns à outros softwares, tais como: arrastar, selecionar, trazer uma imagem para frente ou para trás, fazer flip na figura, alterar tamanho da figura, baixar imagem de um arquivo, digitar texto.
*publicar sua tirinha em um blog.

Conteúdos:

*diferenciar e definir o gênero literário da revista em quadrinhos.
*utilização da internet como meio de divulgação e de comunicação.

Estratégias:

1- Pedir aos alunos que tragam de suas casa gibis.
2- O professor leva para a classe um livro, um jornal, um folheto. Pede que os alunos levantem as características que os gibis apresentam em comum e no que difere dos demais gêneros.
3- A professora pede à alguns alunos que leiam em voz alta uma pequena história de um dos gibis. Assim, é fácil caracterizar a linguagem utilizada nos gibis.
4- A professor pede então que os alunos elaborem individualmente uma tirinha de gibi. Estas tirinhas pode conter: o balão, personagens, plano de fundo, onomatopéias. Deve ter no máximo 3 painéis (quadrinhos).
5- Uma vez elaborada a tirinha, na sala de informática os alunos são apresentados para o site www.toondoo.com
6- cada aluno deve se registrar.
7- a professora mostra como utilizar as ferramentas, para que então o aluno crie sua tirinha (que já foi planejada na sala de aula).
8- Se a classe tiver um blog, podem publicar as tirinhas.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Planejando uma atividade com o Laptop

Curso: Formação Amapá
Entidade: UCA – USP
Tutora: Marli Morais
Módulo: UCA – UNIFAP: EMEF Aracy Nascimento
Cursista: Cesar Augusto Gomes Lima / Rozilda Santana Souza Monteiro
Tema: Apropriação Tecnológica

Planos de aula


Objetivos
- Entender os princípios que permitem explicar a rotação e translação (revolução) dos corpos celestes a partir da montagem de uma dinâmica de trabalho corporal com os alunos e discutir os resultados dessa dinâmica.
- Aplicar os conhecimentos para os astros do sistema planetário a partir do caso do nosso planeta.

Objetivos específicos
- Explorar os conceitos de rotação e translação para os sistemas Terra Sol e Terra Lua.
-Entender o que vem a ser sincronismo entre Rotação e Translação.

Ano
5° ano

Tempo estimado
Um mês, podendo variar de acordo com as condições e interesse da turma.

Recursos didáticos
Pesquisas realizadas previamente na internet e livros didáticos. Entrevistas com pessoas para entender suas concepções acerca da rotação e translação. Simulações usando aplicativos livres como o stellarium . (www.stellarium.org) ; eventuais pesquisas em livros e bibliotecas; material consumível como cartolinas, giz de cera, lápis de cor, etc. Lanterna ou luminária - conforme o caso, Bolas de isopor de tamanhos variados.

Desenvolvimento da atividade


Primeira etapa O professor pede para que os alunos façam pesquisas sobre Modelo Geocêntrico e Modelo Heliocêntrico na internet. Eles devem trazer o material para a sala de aula, principalmente as imagens.

O professor pede aos alunos que expliquem o que sabem sobre a rotação e translação da Terra. A partir dessas informações o professor deve fazer as contas que estão na introdução desse texto, mostrando que as velocidades de rotação (mais de 1.600Km/h) e rotação (mais de 100.000km/h) são muito altas. Não percebemos esses movimentos facilmente, mas eles acontecem.

O professor deve chamar a atenção para o fato de que os antigos explicavam os movimentos com a Terra parada exatamente por não admitirem que existissem movimentos tão rápidos. Essa é uma boa oportunidade para mostrar os modelos geocêntrico de Ptolomeu e Heliocêntrico de Copérnico para a garotada. Uma pesquisa anterior na própria internet poderá trazer reproduções dessas imagens e isso será muito útil. Mesmo solicitando aos alunos essa pesquisa o professor deve realizá-la.

Em seguida o professor deve perguntar para os alunos o que acontece com a posição relativa do Sol e a Terra quando é dia e quando é noite. O dia e a noite são decorrentes das posições relativas de determinadas porções do nosso planeta com relação à posição do Sol. O professor deve solicitar desenhos dos alunos que mostrem a sucessão dos dias e das noites. Esses desenhos devem ser acompanhados de explicações dos alunos. O trabalho deve começar com explicações individuais. Depois o professor pode dividi-los em grupos de, no máximo três alunos. Essa dinâmica pode ser útil para depois eles compartilharem as soluções e desenhos a que chegaram.

Segunda etapa Os alunos podem terminar de compartilhar as soluções gráficas que deram para as explicações acerca da Rotação. Com uma lanterna, luminária e bola de isopor, os alunos devem mostrar o que acontece com a Terra na Rotação. Voltando parte de nosso planeta (representado pela bola de isopor) para o Sol, a outra parte ficará no escuro... O professor pode discutir esse fato, mostrando que esse movimento é rápido, mas a Terra é bastante grande e por isso que não percebemos o movimento, a não ser com o decorrer das horas. Boa parte dos alunos deve poder explicar esse mecanismo.

O professor, então, pode retirar a bola de isopor e os alunos podem usar os seus próprios corpos, girando em torno de seus eixos para mostrar que parte de seus corpos fica na região não iluminada e parte fica na região iluminada pela lanterna ou luminária, enquanto giram. A sucessão do dia e da noite precisa ficar relacionada com as posições relativas e com os movimentos. Os alunos devem discutir o tema, caso não o tenham compreendido.

Terceira etapa Para estudar a translação ou revolução os alunos devem fazer uma roda em torno da luminária que ficará ao centro. Se a aula ocorrer no espaço da sala os resultados ficarão melhores se houver possibilidade de torná-la mais escura. Do lado de fora da sala os feixes de luz podem ser simulados por linhas de barbante que saiam do local onde está a luminária ou lanterna e cheguem até os alunos. Essas linhas representarão os feixes de luz. A bola deve passar de mão em mão até retornar ao primeiro aluno. Quando isso acontecer a bola terá completado uma revolução ou translação inteira em torno da luminária que continuará a fazer o papel do Sol. Um dos alunos deverá girar em torno da luminária segurando a bola de isopor enquanto os outros acompanham o movimento. Isso mostrará que há uma diferença grande entre a rotação (girar em torno do próprio eixo) e translação (girar em torno do Sol).
Os alunos devem investigar o que acontece com a Terra na sucessão dos dias e das noites assim como com a translação em torno do Sol. Os dias e as noites podem ser investigados em cada passo que um dos alunos dará com a bola de isopor nas mãos, cumprindo a translação.

Quarta etapa A translação é responsável pela sucessão das estações do ano juntamente com a inclinação do eixo de rotação da Terra. Assim, o exercício pode e deve se sofisticar mais ainda. Depois de entender as diferenças de rotação e translação os alunos devem ser informados de que a Terra mantém seu eixo de rotação inclinado em relação ao plano de sua órbita. Uma vareta pode trespassar a bola de isopor ou dois palitos de churrasco podem ser usados para representar o eixo de rotação da Terra, sendo enfiados em lados opostos da bola de isopor.

O professor deve lembrar que o eixo não muda de inclinação e posição, mantendo-se a cada translação. Apesar de sabermos do movimento de precessão do eixo, a sua duração de cerca de 26.000 anos, não interfere significativamente para explicarmos as estações do ano na translação.

Quinta etapa Se o professor quiser, poderá sofisticar um pouco mais o projeto estudando o movimento aparente do Sol em torno da Terra. Na rotação isso fica claro para os alunos, mas na rotação, nem sempre se percebe que o movimento produz um efeito interessante. Voltemos à roda de alunos em torno da luminária que representa o Sol. O aluno que tomou para si a bola de isopor deve agora, a cada passo de sua trajetória em torno da luminária dizer quem está alinhado com ele e a luminária. Haverá sempre dois alunos. Um no sentido da luminária, outro no sentido oposto, na linha imaginária que une o aluno que carrega a bola (Terra) e a luminária. Os alunos observados por quem está se movimentando: no caso o aluno que está de posse da bola, mudam.

Isso acontece com as constelações que servem de panorama de fundo para as posições sucessivas do Sol. Nossos antepassados perceberam, ao por do Sol e com o Nascer do Sol que as estrelas que lhe serviam de panorama de fundo mudavam. Essas mudanças permitiram traçar no céu a trajetória do Sol que chamamos de Eclíptica e que corresponde também à nossa trajetória em torno do astro rei.

Sexta etapa Por fim, os alunos podem fazer cartazes mostrando os movimentos do ponto de vista do observador (na Terra) ou do ponto de vista externo à Terra. Eles podem ser expostos pela escola ou servirem para alguma apresentação para alunos de outras séries, considerando que esse é um tema recorrente em mais de um momento nos currículos das escolas de educação básica.

Atividades Complementares
O mesmo que foi feito para o sistema Terra-Sol pode ser replicado para o sistema Terra-Lua, só que nesse segundo caso há algo bem interessante a ser explorado. A Lua mantém a rotação e a translação praticamente sincronizadas em relação à Terra. Com isso a Lua mostra praticamente a mesma face para nós. Sincronizando a rotação e a translação nós vemos, aqui da Terra, a mesma face da Lua a menos de movimentos chamados de librações que permitem vermos cerca de 60% da superfície lunar.

A observação da mesma face da Lua produz o que chamamos de face oculta da Lua. Hoje há imagens dessa região lunar que acendeu a imaginação de nossos antepassados que diziam existir nessa região os selenitas, habitantes que não conheciam a Terra e não eram conhecidos ou observados por nós.

Produto Final
Cartazes e eventuais atividades como um teatro mostrando os movimentos dos planetas e lua.

Avaliação
A avaliação deve ser processual. Todas as etapas do projeto exigem a avaliação. Cada tipo de inteligência aparece num trabalho em grupo e por isso mesmo a auto-avaliação é importante nesses casos. Os produtos são importantes, mas a avaliação mais importante ocorre durante todas as etapas do processo.

Referencias Bibliograficas

www.novaescola.br

Planejando uma atividade com o Laptop

PROJETO UCA

TUTORA: MARLI MORAES

O CONTEÚDO DO MÓDULO – APROPRIAÇÃO TECNOLÓGICA

CURSISTA: ORMINDA PANTOJA FERREIRA

NAIR PINHEIRO DA SILVA


PLANEJANDO UMA ATIVIDADE COM O LAPTOP

Plano de aula

Pesquisa sobre as baleias

Objetivos
- Entrar em contato com textos informativos.
- Aprender procedimentos de leitura de imagens para buscar informações.
- Pesquisar a vida das baleias.
- Usar alguns recursos do computador.

Conteúdos
- Texto informativo.
- Baleias.
- Procedimento de pesquisa em fontes diversas.
- Construção de familiaridade com o computador.

Anos
Pré-escola.


Tempo estimado

15 dias.

Material necessário
- Computador com acesso à internet e um editor de textos.
- Impressora, cartolinas e materiais pré-selecionados para pesquisa sobre baleias (como enciclopédias e revistas).
- Vídeos:
- Baleia Jubarte
- Baleia Azul
- Jogo:
Desafio Baleiês

Flexibilização
Adiante algumas das atividades que serão realizadas para a criança com deficiência visual. O acesso a um computador com teclado braile na sala de recursos é imprescindível, assim como a orientação do educador do AEE. É importante que desde cedo esta criança tenha contato com o computador e com o sistema braile, mesmo que ainda não saiba ler. Há softwares que podem ser instalados em qualquer computador e que servem para narrar o conteúdo dos sites, como o Jaws e o DOSVOX, desenvolvido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Com relação aos vídeos, explique o assunto antecipadamente para a criança para que ela saiba o que vai ouvir. Imagens em relevo também podem ser apresentadas à criança cega. O trabalho em pequenos grupos ajuda na inclusão dos pequenos.


Desenvolvimento
1ª etapa
Exiba os vídeos Baleia Jubarte e Baleia Azul e questione o que as crianças sabem sobre baleias. Convide-as a descobrir detalhes sobre a vida desses animais usando o computador. Comporte-se como um modelo para elas: ao ligar a máquina e conectá-la à internet, verbalize os procedimentos. Elabore um cartaz com o que os pequenos sabem sobre esses animais e outro com o que desejam descobrir, fazendo o papel de escriba.

2ª etapa
Apresente os materiais para a turma pesquisar informações a respeito das baleias. Fale sobre consultar a internet também. Organize grupos para que cada um trabalhe com uma fonte. Enquanto algumas crianças observam enciclopédias, outras selecionam fotos de revista e as demais fazem buscas na internet com sua ajuda.

Antes, retome os cartazes para que todos saibam o que precisam buscar. Para trabalhar com o grupo do computador, apresente o site Ciência Hoje para Crianças. Explique o que pode ser feito e como digitar no campo da busca a palavra "baleia".

Se necessário, escreva o termo e oriente-as a digitá-la copiando. Questione a necessidade de imprimir tudo o que for descoberto e a validade de salvar os endereços para acessá-los depois. Proponha o rodízio dos grupos para que todos tenham contato com as fontes. Organize uma roda para socializar as descobertas.

3ª etapa
Acesse o site da revista Recreio (recreionline.abril.com.br) e apresente-o à turma, lendo os destaques. Aponte o campo de busca. Peça que os pequenos expliquem o que deve ser feito para encontrar informações sobre as baleias. Encaminhe-os a encontrar a ficha técnica delas.

4ª etapa
Reúna o grupo para brincar com o Desafio Baleiês. Todos devem jogar, usando o mouse. Se necessário, organize um rodízio.

5ª etapa
Convide o grupo a criar um cartaz com o que foi aprendido para responder aos questionamentos. Sugira usar o computador para escrever legendas para as fotos, por exemplo.

Avaliação
Analise os conhecimentos adquiridos pelas crianças sobre os animais e como elas passaram a lidar com o computador. É importante que tenham desenvolvido autonomia para identificar ícones para acessar a internet e pesquisar em sites.

Bibligrafia

www.google.com.br

www.novaescola.br

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Planejando uma atividade com o Laptop

Curso: Formação Amapá
Entidade: UCA – USP
Tutora: Marli Morais
Módulo: UCA – UNIFAP: EMEF Aracy Nascimento
Cursista: Dinalva de Souza Barros
Tema: Apropriação Tecnológica

Este tema foi proposto para uma turma de 4ª série, onde os alunos ao utilizarem o laptop pesquisarão na internet sobre o gênero literário “Literatura de Cordel”.

Tema da Proposta da aula:
Pesquisa sobre literatura de cordel em sala de aula.

Público-Alvo:
Alunos da 4ª série

Disciplinas Envolvidas
Língua Portuguesa, História, Artes, Geografia e Ciências

Objetivos:
Pesquisar na internet e tornar conhecido dos alunos este gênero de literatura popular nordestina e sua eficácia como material didático;
Aprender as técnicas que os poetas populares utilizam para se comunicar, os locais do Brasil onde são mais produzidos e comercializados e como hoje ele é visto numa sociedade em que a mídia digital está muito presente.
Coletar informações sobre o histórico do cordel, seus autores representativos, autores locais, técnicas de impressão, produção e arte das capas e xilogravuras.

Etapas (Dinâmica da Atividade)
Os alunos irão pesquisar na internet as literaturas em cordéis de autores conhecidos, sites, livros, revistas, documentários em vídeos, entrevistas com autores locais, ilustradores, artistas e gráficas.
De posse do material e das informações, os alunos deverão se reunir em duplas para estudar o material coletado.
Os alunos, começarão a produzir seus textos, escolhendo uma das formas de produção do cordel, sempre contando com a colaboração do . As capas também serão produzidas pelos alunos, que poderão fazer adaptações, colagens, fotografias, ilustrações, etc.

Critério de Avaliação das Atividades:
Cada aluno será avaliado pelo material pesquisado e a maneira como foi utilizado esse material em sala de aula. Após cada aluno pesquisar seus trabalhos, eles serão apresentados, lidos, dramatizados e terão a oportunidade de mostrar à escola um pouco da cultura nordestina (músicas, comidas, vestimentas, folclore, etc).

Referências:
pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_de_cordel
literaturadecordel.vilabol.uol.com.br/o_que_e_cordel.htm